Administração rural: tudo que você precisa saber sobre o crédito rural

administração rural
7 minutos para ler

O crédito rural compreende diferentes tipos de subsídios financeiros destinados a produtores e cooperativas que precisam de auxílio para a administração rural de seu empreendimento. Ele parte de instituições públicas ou privadas e se subdivide entre três principais tipos: custeio, investimento e comercialização.

Ainda, sua principal finalidade é fomentar a agricultura brasileira, para que tenha mais competitividade no mercado e estimule a geração de renda no campo. Nesse sentido, os programas são formulados para diferentes finalidades e perfis de produtores.

Continue a leitura deste artigo e saiba como esse crédito pode ajudar na sua administração rural!

Como funciona o sistema de crédito rural?

O crédito rural é uma importante ferramenta de incentivo à produtividade e modernização das fazendas brasileiras, pois fornece recursos para equipamentos tecnológicos e diversas atividades imprescindíveis ao sucesso dos empreendimentos rurais. As questões relativas às suas aplicações são definidas pela Lei N° 4.829.

Beneficiários

Os principais beneficiários dos programas são os produtores rurais e as cooperativas que não têm nenhum impedimento ao recebimento de auxílios, podendo solicitá-los na condição de pessoa física ou jurídica. Para ter o acesso, é necessário:

  • comprovar idoneidade;
  • apresentar um plano ou orçamento das atividades que serão desempenhadas com o subsídio;
  • estar ciente das fiscalizações aplicáveis.

Além disso, os auxílios também são destinados a outros tipos de público, que contribuem para a produção rural de alguma forma.

Nesse contexto, existem diferentes tipos de programa para pequenos, médios e grandes produtores rurais, que são classificados de acordo com a sua Receita Bruta Agropecuária Anual (RBA), que corresponde à somatória de todos os ganhos provenientes de suas atividades rurais. Para tanto, são assim considerados:

  • pequenos produtores: renda média de até R$ 360.000,00;
  • médios produtores: renda média de R$ 360.000,00 até 1.760.000,00;
  • grandes produtores: renda média acima de R$ 1.760.000,00.

Origem dos recursos

Os financiamentos para o crédito rural são administrados pelo Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR), um órgão governamental originado da Lei N° 4.595 e conduzido pelas diretrizes do Conselho Monetário Nacional (CMN).

O SNCR é constituído por cooperativas de crédito e bancos públicos e privados, os quais são responsáveis pelas operações relativas às linhas de crédito. Além disso, todas as instituições financeiras vinculadas ao SNCR são obrigadas a aplicar recursos ao crédito rural, que também são provenientes da Poupança Rural.

Logo, as taxas de juros são aplicadas conforme o tipo de crédito concedido e definidas pela instituição provedora dos recursos.

Quais são os planos do governo para o futuro dos subsídios?

O governo anunciou que sua intenção é ampliar seu apoio à produção rural, com o aumento dos recursos financeiros e a diminuição de taxas. Além disso, o Plano Safra 2020/21 decidiu contemplar as necessidades específicas da agricultura familiar, o que representa um grande avanço para o setor.

Para 2020, foi disponibilizado um montante total de R$ 236,3 bilhões em subsídios para as atividades rurais — 30% a mais do que em 2019, com R$ 66 bilhões reservados aos pequenos e médios produtores. O plano atual conta, ainda, com linhas de crédito exclusivas para o desenvolvimento sustentável e a inovação no campo.

Como os auxílios financeiros contribuem para a administração rural e uma agricultura mais competitiva?

Muito mais do que uma produtora de alimentos, a agricultura é um dos maiores pilares do desenvolvimento socioeconômico do mundo. Além de fornecer matéria-prima para outros segmentos da indústria, o setor é o principal responsável pelo aumento do poder aquisitivo em comunidades rurais, pois emprega trabalhadores diretos e fomenta o crescimento de comércios locais.

No entanto, o alcance desses objetivos está amplamente condicionado a investimentos financeiros, uma vez que a agricultura é repleta de desafios climáticos, sociais, econômicos e ambientais. Nesse sentido, o crédito rural é importante porque facilita o acesso a ferramentas modernas que ajudam a contornar esses obstáculos.

Um exemplo disso é o investimento em dispositivos tecnológicos e estratégias agrícolas que otimizam a produtividade, ao permitirem a racionalização de recursos e a consequente diminuição de desperdícios. Além disso, os produtores também podem investir na própria capacitação profissional e educação financeira.

O Brasil já conta com uma enorme vantagem climática para o cultivo de alimentos, sendo reconhecido como um dos maiores produtores e exportadores do mundo de espécies, como soja, café, milho e cana-de-açúcar. 

Portanto, os auxílios financeiros dão a oportunidade de explorar o comércio internacional com a produção de alimentos de alta qualidade que atendam os padrões desse setor.

Quais são os tipos de crédito rural e como fazer a escolha certa?

Agora, confira um pouco sobre cada os tipos de crédito rural — perceba que falaremos sobre um modelo a mais do que mencionamos no início.

Créditos rurais de custeio

Os créditos de custeio servem para cobrir as despesas habituais das propriedades rurais, que estejam relacionadas ao seu ciclo produtivo. Essa é a modalidade indicada para quem precisa de matérias-primas e materiais, mas não pode esperar pelos lucros da próxima safra. Esses são exemplos de itens que estão inclusos:

  • aquisição de sementes, fertilizantes, mudas e outros insumos agrícolas;
  • recursos para as operações agrícolas;
  • mão de obra.

Créditos rurais de investimento

Os créditos de investimento são destinados ao custeio de bens duráveis ou semiduráveis que beneficiarão a propriedade rural. Assim, seu público-alvo são aqueles que buscam ampliar a produção, modernizar a propriedade ou recuperar áreas para a retomada de plantios. Alguns exemplos dessa categoria são:

  • a compra de novas máquinas e equipamentos;
  • as reformas em áreas degradadas;
  • a construção de instalações para armazenagem;
  • a aquisição de veículos de transporte;
  • obras de irrigação.

Créditos rurais de comercialização

Os créditos de comercialização se destinam às despesas da fase seguinte à colheita, quando os produtores e cooperativas precisam levar seus produtos até o consumidor. Logo, servem para aqueles que têm dificuldade em manter seus preços condizentes aos valores de mercado.

Ainda, sua principal finalidade é cobrir custos relativos à distribuição e estocagem, como o aluguel de galpões, para que as mercadorias não percam qualidade durante o processo.

Créditos rurais de industrialização

Os créditos de industrialização servem para os produtores e cooperativas rurais que desejam industrializar a sua produção.

Com um planejamento adequado, o crédito rural pode ser o melhor investimento para uma administração rural de excelência. Por isso, não deixe de entrar em contato com as instituições financeiras para conhecer os detalhes de cada modalidade e saber se o seu negócio atende os critérios previstos.

Ainda não sabe onde investir para impulsionar a sua produtividade agrícola? Entre em contato agora mesmo com a Agrus e conheça as soluções que temos para você!

Você também pode gostar

Deixe um comentário